“Somos contra a reforma da Previdência”, afirmam Senadores e Deputados Federais em reunião com trabalhadores e sindicatos

0

 

Em reunião com centenas de trabalhadores e sindicatos de diversas categorias, na manhã da última segunda-feira (20) na sede do Sintero, parlamentares da Bancada Federal de Rondônia criticaram a proposta de reforma da Previdência e assinaram um termo de compromisso, firmando acordo pela não aprovação da matéria.

Os senadores Acir Gurgacz (PDT) e Valdir Raupp (PMDB) e os deputados federais Marcos Rogério (DEM), Lindomar Garçon (PRB), Expedito Netto (PSD) e Nilton Capixaba (PTB) confirmaram que são contrários a reforma previdenciária, nos termos que é apresentada pelo Governo Federal.

Embora não tenham comparecido à reunião, os deputados federais Lúcio Mosquini (PMDB) e Marinha Raupp (PMDB) justificaram a ausência e anteciparam que também não votam pela aprovação da Proposta de Emenda Parlamentar 287/2016, segundo informou o presidente do Sintero, Manoel Rodrigues Silva, o Manoelzinho.

O posicionamento dos membros da Bancada Federal, segundo o presidente do Sinjur (sindicato dos trabalhadores do Poder Judiciário Estadual), Francisco Roque, é um alento aos milhões de trabalhadores que serão atingidos pela PEC 287.

Falando ao líder sindical e a milhares de trabalhadores que compareceram à assembleia geral, o senador Acir Gurgacz afirmou que não aceita a retirada de direito da categoria, dando ênfase à questão das mulheres. “Reafirmo meu compromisso com o povo e não aceito o projeto de reforma do modo que está sendo apresentado”, completou.

Gurgacz disse ainda que há uma movimentação de todos os parlamentares de Rondônia contra a PEC. “Vou levar esse termo de compromisso para que ele seja assinado por todos os parlamentares que aqui não puderam comparecer”, comprometeu-se o senador.

Como já tinha afirmado antes, em conversa com o presidente do Sinjur na última semana, o senador Valdir Raupp ratificou sua contrariedade ao projeto, dizendo que também não vota pela aprovação no Senado. Justificando a ausência da deputada federal Marinha Raupp, o senador apontou o posicionamento da esposa, “ela também não vota, Marinha já se comprometeu e não vota contra o trabalhador”, afirmou.

A paralisação dos trabalhadores na luta pela conservação de seus direitos foi elogiada pelo deputado federal Expedito Netto. Num discurso incisivo, o parlamentar disse que vota contra o projeto de reforma à previdência porque entende que a medida visa apenas o recolhimento do dinheiro do trabalhador, sem efetivo retorno quando ele mais precisar. “O trabalhador não pode ficar desamparado”, salientou.

A ameaça de retirada dos direitos dos trabalhadores também foi a tônica do discurso do deputado federal Lindomar Garçon. “Algo tem que ser feito, mas sem comprometer os direitos dos trabalhadores. Voto contra essa PEC, mas com o compromisso de achar outros caminhos para resolver a crise que está instalada no país”, explicou.

Fechando a rodada de discursos, o deputado federal Marcos Rogério corroborou com a opinião do presidente do Sinjur e afirmou que a proposta de reforma é, na verdade, o fim da previdência no Brasil. “O trabalhador irá contribuir, mas não terá como gozar do benefício. Essa reforma é uma proposta de confisco, um golpe ao trabalhador brasileiro”, enfatizou.

Apresentando documento que teria sido protocolado por ele na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, em dezembro do ano passado, Marcos Rogério disse que sempre foi contrário ao projeto. Cópia do documento foi entregue aos sindicalistas que estavam presentes na assembleia.

Depois do manifesto e reunião com os parlamentares, Francisco Roque e outras lideranças sindicais seguiram com os parlamentares para a Assembleia Legislativa do Estado, onde foi realizada audiência pública para debater a mesma questão, desta vez em conjunto com os deputados estaduais.